#3 Paris

24 de setembro.

Foi o dia de visitar um dos castelos que eu mais queria. Não, não é o que estão a pensar, não é Versalhes. É um castelo que não costuma estar nos grandes roteiros: o Château de Chantilly.  Talvez um dos castelos mais interessantes de França. Um dos mais pitorescos e também um dos mais bonitos. Os jardins são soberbos, 115 hectares de pura beleza!

Mas não é só um belo Castelo, também é um magnífico museu. Não têm noção (nem eu tinha) da coleção de quadros que existe no castelo. Obras de Rafael, Botticelli, Delacroix e outros que tal. Não eram nada pobres, portanto!

E os pontos positivos não ficam por aqui. Nas imediações do castelo fica uma grande cavalaria e o Museu Vivo do Cavalo. A cidade de Chantilly é o principal local de treino de cavalos da Europa. Aquela cavalariça era qualquer coisa. Só vos digo uma coisa: há cavalos com sorte!










































O almoço foi degustado no La Capitaneie, um requintado restaurante nas imediações do castelo (deliciem-se com as imagens da degustação!). E como não podia deixar de ser tive de comer chantilly em Chantilly. Para aqueles que não sabem, este maravilhoso creme esbranquiçado surgiu por acidente. Ficou com o nome desta região porque foi aqui que o feliz acidente ocorreu, na corte do castelo.







Foi neste dia que, no regresso a Paris, tive o meu primeiro acidente. É verdade, um acidente! O autocarro no qual eu seguia colidiu com um automóvel. Acidentes é o prato do dia na cidade. Se vocês soubessem a quantidade de acidentes que vi! Os parisienses a conduzir são loucos, literalmente! Estão a ver o Arco do Triunfo? Bem à volta existe uma enorme rotunda que tem tudo menos lógica. Aquilo é pior que na Índia! Quais regras de trânsito qual quê! É cada um por si!

Nessa noite fui visitar uma das atrações mais desejada: a Torre Eiffel. Já tinha ouvido dizer que o espetáculo de luzes na torre era imperdível. E só vos digo uma coisa, é absolutamente mágico!

Deixo-vos com estas imagens mágicas. Até amanhã!