Vou só ali e já volto

A semana já vai longa. Escrevo-vos a caminho de casa. Nunca pensei dizer o que vou dizer agora. Preparados? Não queria vir. Queria estar em Lisboa. Queria estar na redação, a trabalhar. Queria estar na SIC.

Sou uma menina da mamã e adoro o conforto de casa. Não me levem a mal. Estou muito feliz por ir a casa. Estar com a família e os amigos vai ser fantástico. Mas também estou triste.

Este estado de espírito só pode significar uma coisa: amo mesmo o que faço! Nunca (mas nunca mesmo) isto me aconteceu.

Estão a ver aquelas pessoas que estão sempre prontas para voltar para casa? Que estão sempre desejosas de regressar? Que não pensam noutra coisa? Eu era uma dessas pessoas. Sem tirar nem pôr. Sempre com a mala pronta. Sempre com um pé em terra e outro no comboio.

Essa pessoa já não existe. Vá, não vou ser tãoo radical. Existe mas está extremamente controlada. Encontrei o meu cantinho no mundo e na vida. E não o quero largar. Estou desejosa que segunda feira chegue. Estou desejosa de voltar à redação.

Sinto-me feliz, bem, aceite, realizada. Sinto que estou a aprender e a crescer. Sinto-me à vontade para ser quem sou sem rodeios: brinco, mando sempre o meu "bitaite" mas trabalho e muito! Mostro interesse. Dou sempre o máximo de mim em tudo o que faço. Não quero ser boa. Quero ser excecional e vou fazer por isso (nem que morra a tentar). Aprender, aprender, aprender!

Na quinta-feira acompanhei um jornalista em reportagem. Mote: final da carreira do árbitro Pedro Proença. Algum dia imaginava (a mim, a Marta Sofia!) que ia estar na mesma sala que os grandes nomes do futebol português? Nunca nesta vida!

É isto que me fascina. Foi por isto que decidi vir para o desporto. Faço o impensável, o inimaginável todos os dias! E sabem que mais: ADORO! Não podia estar mais feliz.


Só peço uma coisa: que um dia possa fazer disto vida. Vou fazer os possíveis e os impossíveis para que isso aconteça. Estou a apaixonar-me todos os dias pelo jornalismo, pela televisão. Espero um dia poder dizer: sou jornalista.